Hernane Siqueira entra na Avenida em 2019 com a missão de ajudar na conquista do título da Vai Vai

Com uma história de vida dedicada ao Carnaval de todo o País, Hernane Siqueira chega à Vai Vai com a esperança no resgate do Samba, e pelo amor à comunidade. O carnavalesco promete colocar, literalmente, o Quilombo do Futuro na Avenida.  

A função do Carnavalesco é criar através  de sua genialidade a alma de um desfile de uma Escola de Samba, a  harmonia, a  estética e a  historicidade  que serão  narradas através dos Setores no desfile. Todos os detalhes passam  minuciosamente por seu olhar de grande criador. Essa mesma  alma criada por ele,  invade um corpo que se transformará num Samba Enredo, e esse por sua vez ganha vida com o suor e sangue de cada componente da Escola.  Este profissional exclusivo do Brasil, estuda e pensa em cada detalhe que fará a composição e a perfeição do desfile. Desde a delicadeza e o impressionismo nas alegorias, até  nas danças que ganham expressões nas alas.  Toda essa arquitetura cultural passa pelos olhos do público e dos jurados  que avaliam o desempenho dessa imensa criação.

 Um apaixonado por carnaval desde a infância, Hernane Siqueira, colecionava revistas e fitas cassetes dos desfiles na esperança de um dia fazer parte deste time de profissionais da folia.  E dentro do Carnaval perseguiu o sucesso, e fez sua carreira com muita ousadia e coragem. Ainda adolescente, bateu na porta da Imperatriz Leopoldinense, contando para Viriato Ferreira (figurinista e carnavalesco brasileiro), todo o conhecimento que tinha e  isso foi o suficiente para que logo fosse convidado a montar um protótipo do abre-alas da escola. E qual foi a surpresa? Viriato usou a ideia no desfile de 1991.

“Fui lá bati na porta. Falei que era apaixonado por carnaval e que queria conhecer. Começamos a conversar.  Ele disse que tinha que  desenvolver o abre alas, e não tinha chegado o material.  Eu pedi para fazer um,  aí ele  me disse que havia  uma pequena. Perguntei com quais materiais ele queria que eu montasse, e com uns brocados e uns espelhos, fiz um piloto dessa banana. Ele pegou aquilo e disse: o carro é isso!”

Eu vivia isto(carnaval) desde os 06 anos, nessa época não tinha internet, então o que eu tinha eram apenas coleção de revistas, como a Cruzeiro, Manchete e Fatos e Fotos. Eu tinha todas as fitas cassetes de gravação de samba enredo, que passavam na Rádio Globo de madrugada. Esperava chegar Novembro, para o lançamento do LP do Rio, e para assistir programas como ‘Esquentando os Tamborins’ da TV Manchete. Conta o carnavalesco com entusiasmo.

Mas a construção de uma carreira de prestigio e ousadia começou mesmo através de um convite de um amigo em 1991. Mesmo já frequentando escolas como a Nené de Vila Matilde e a própria Vai-Vai, Hernane conheceu a Leandro de Itaquera, onde teve seu primeiro contato direto com uma escola de samba de São Paulo, como profissional.

Em 1996, ganhou um concurso de samba enredo na  Rosas de Ouro, e em 1998, Raul Diniz ( carnavalesco), colocou a ideia na Avenida com o tema “Do Inferno ao Paraíso, o Despertar da Humanidade”.   Rapidamente, José Carlos Lisboa o chamou para ajudar na escola Acadêmicos do Tucuruvi,  e Hernane  abandona seu emprego de vitrinista no MAPPIN (loja de departamento) trazendo todo  seu carisma e paixão para o Carnaval de São Paulo.   Desde então, dedicou-se de corpo e alma pelas escolas por onde passou,  sempre  muito bem  elogiado  pelos  presidentes e  demais  diretores,  pela dedicação que sempre manifestou   por todas agremiações.  

Pelo Brasil, o carnavalesco ajudou na imagem das Escolas de Samba e do Carnaval, ao dar palestras. Foi organizador de diversos  eventos, como a inauguração da Estação do Pré Sal no Espirito Santo.  Fez projetos de   empreendedorismo no samba com um grupo do Cambuci.

Ele conta que por ser um aficionado pelas Escolas de Samba, chegou a trabalhar em até cinco escolas no mesmo ano. Seu objetivo foi  sempre o  resgate da imagem, respeito e a importância do Carnaval. Eu não era muito de criar raiz na Escola, por gostar muito do Carnaval. Eu entendia assim… quando ela chegava no ápice que ela queria, eu tinha que resgatar outra. Gosto de todas!” – Complementa Hernane.

Arq. Pessoal : Hernani Siqueira e Roberto Monteiro

Cansado de tanto trabalho e energia, Hernane ficou longe do Samba Paulista por alguns anos. Mas a saudade pelo  Carnaval da Pauliceia  falou mais alto, e aceitando o convite do Presidente Darli Silva ‘o Neguitão’, o carnavalesco há três auxilia a escola Vai -Vai nos seus desfiles. O amargo de um décimo lugar em 2018 com o Enredo Andar com fé, eu vou’ deixou para Escola uma sensação de injustiça e esquecimento ao trabalho da matriz africana no Carnaval, marca registrada da Vai -Vai. 

E a oportunidade de levar para a Avenida o resgate da historia do Povo Negro, fez com que Hernani juntamente com amigo e carnavalesco Roberto Monteiro , pesquisador e idealizador do Enredo e figurinista, onde juntos assinam  a produção  artística da Escola, entendam da grande responsabilidade que os dois possuem  nas mãos, em 2019 com o Enredo ‘Vai – Vai, o Quilombo do Futuro’ Para realizar esse grande  trabalho  da Escola do Povo, a dupla  conta  com uma comunidade que trabalha com muita garra,amor, dedicação  e acima de tudo  com muita devoção em suas religiões de matrizes afro-brasileiras.            

A  missão de obter o título de campeã do Grupo Especial em 2019, já está no coração de Hernane, e podemos acreditar que com toda essa bagagem  e dedicação,  a Vai-Vai fará mais um  belo espetáculo, como tantos outros que a Escola tem  em seu histórico.

Ouça trechos da entrevista:

 

Por:  Josy Dinorah

Facebook comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + três =