Home Cultura e Lazer O samba não é fascista

O samba não é fascista

por Redação
367 visualizações

Por Luis Mendes

Capa : Nelson Gariba

O sambista jamais compactua com o fascismo. Pelo contrário, o sambista é libertário! O sambista facista não conhecesse um verso do Martinho da Vila, um verso do Candeia, os mistérios das Letras de Badem Power e o dedilhado do violão de Rosinha de Valença. O sambista que apoia o fascismo jamais entenderá as andanças de Beth Carvalho e nunca amará a menina, de Paulinho Nogueira pai do meu querido amigo Artur Nogueira. Ser sambista é entender o olhar de uma mulher de Oxum e Yansan numa batucada. É saber que ambos vieram do além mar e renascerem dramaticamente no cais de Valongo. Ser sambista é beber no mesmo copo de Vinícius de Moraes e João da Bahiana. O sambista é revolucionário! Quanto a cuíca ronca, pode ser de alegria ou de raiva! Pois os homi mandou parar a cuíca, dizia João Bosco. Aniceto do Império quando pergunta para a capoeira quem é seu pai? É filha de bamba, nasceu do jongo é africana e irmã do samba. O samba é irmão da capoeira, ambos tem em comum a mãe África! Ambos conheceram o relho. O samba não nasceu em debates acadêmicos ou entre as conversas da ante sala da casa grande. O samba esteve nos quilombos pois é rebelde. Nasceu na terra e no barro, ao lado de um assentamento de Exu! A noite quanto os atabaques dobravam, lá estava o samba. O samba como o blues conhecem a encruzilhada, conhecem a noite. Nasceu nas conversas de negros e negras após uma rebelião nas senzalas. Quando Zumbi e Camuanga discutiam estratégias em volta da fogueira, lá estava o samba!Depois saiu pelo mundo como as flexas de Oxóssi. O samba quando se torna uma forma de resistência é certeiro! O samba é a antítese do conformismo e está sempre em movimento! Em seus versos de partido alto está a revolução pois é necessário o improviso, o olhar atento à realidade. Aqueles que ainda não entenderam o motivo do samba as vezes agonizar e não morrer, eu só lamento. Pois não entenderam o longo caminho que as velhas bahianas Ciatas percorreram e ainda percorrem.

Luis Mendes é autor do livro Conversa de Encruzilhada disponível através do link https://desconcertoseditora.com.br/produto/conversa-de-encruzilhada-luis-mendes/Email [email protected] Instagram luismendes5230

Compartilhar isso:

Facebook comentário

0 Comentário

Deixe um comentário

Você pode gostar